quinta-feira, 25 de março de 2010

Fora da Igreja Católica não há salvação? Será?

Uma idéia a muito difundida baseada em uma bula papal promulgada na idade média, levou e infelizmente ainda levam muitos cristãos católicos, inclusive alguns padres, a continuarem difundindo que fora da igreja Católica não há salvação. Mas será verdade?

-----------------------------------------------

A bula papal denominada Unam Sanctam, promulgada pelo então Papa Bonifácio VIII em 1302, pregava que fora da Igreja Católica não havia salvação nem remissão dos pecados. Diante do contexto histórico, social e teológico da época, um erro aceitável, mas diante do Corpo Místico de Cristo, um equívoco grande que manteve nossos irmãos Católicos Ortodoxos afastados da Igreja Romana por muitos séculos e infelizmente ainda mantém muitas religiões cristas, protestantes históricas, ainda afastadas de nossa igreja. Isso se deve a falta de vontade e responsabilidade de muitos cristãos católicos, pois a instrução é outra…

Em 1960, a Igreja Católica incorporou-se oficialmente ao movimento ecumênico, quando o papa João XXIII criou o Secretariado Romano para a Unidade dos Cristãos. Este organismo participou ativamente no assessoramento ao papa e aos bispos durante o Concílio Vaticano II que, além de ajudar os padres conciliares na elaboração do decreto Unitatis Redintegratio de 1964, estabeleceu o diálogo sobre a doutrina com outras igrejas, assessorando as Conferências Episcopais pelo mundo no tema do ecumenismo. Este secretariado foi ainda responsável pelos documentos Diretório Ecumênico (1967-1970) e a colaboração ecumênica em nível regional, nacional e local (1975). Todos os movimento e documentos só tinham um objetivo. Reintegrar a igreja de Cristo através do ecumenismo.

Em 1995, o então querido Papa João Paulo II reafirmou o ecumenismo como essencial para a fé cristã na Encíclica Ut unum sint (“Que todos sejam um”)...

----------------------------------------------------------------------------------------------

Nós como católicos temos que nos alegrar e valorizar sim a nossa igreja pois é a única que tem  a Eucaristia, presença real de Jesus, fonte transformadora de vida e redenção, mas não cabe a nós, cristãos, julgar e condicionar a graça de Deus. Isso cabe ao Pai, Deus todo poderoso.

Eu, como cristão católico amo minha igreja e a professo como Una e Santa, diante do prisma do corpo místico de Cristo, procurando andar em comunhão com ela, pois se a igreja é Una, Una deve ser seu caminhar, seu pensar e seu falar.

Por isso, queridos irmãos católicos, não há o que questionar. A igreja mudou e hoje busca a reintegração do corpo místico de Cristo. Temos, como bons cristãos católicos, que mudar com ela.

Portanto, quem ainda se utiliza da idéia baseada na encíclica Unam Sanctam dentro da Igreja Católica comete um erro grave que deve ser corrigido com a encíclica Ut unum sint, caso contrário, não deve se declarar católico.

A Igreja em sua humildade só veio reafirmar com isso a única coisa que temos certeza, que a salvação esta restrita a vontade do Pai, através da graça e da misericórdia divina.


fontes:

2 comentários:

  1. ECUMENISMO E ISTO VOCE NEGA UM DOGIMA DA IGREJA E ENCINA DIZINDO QUE O CONCILIO VATICANO 2 ESTA CORRETO/ENVIAREI PARA VOCE 2 SITE CATOLICOS PARA VOCE CONHECER A VERDADEIRA IGREJA DE CRISTO,WWWW.MONTFORT.ORG.BR E WWW.FILHOSDAPAIXAO.ORG.BR /.MALDITO O QUE FAZ COM NEGLIGENCIA O TRABALHO DE DEUS ,[JR 48,10] LEIA SOBRE OS SANTOS,E QUE A MAE DE DEUS TE GUIA.

    ResponderExcluir
  2. Caro Benjamim,

    Ecumenismo é uma realidade ensinada pela santa mãe igreja.

    Conheço o Monfort e pra mim ele não tem nada a dizer, por dois motivos. Primeiro, ele causa divisão no corpo místico de Cristo que é a nossa igreja. Segundo, ele é tão de esquerda que os setores mais conservadores da igreja não o apóiam, portanto, seguir o Monfort, é o mesmo que comungar com outra religião.

    Ecumenismo não é sincretismo, é diálogo e reaproximação, coisas que nosso Senhor Jesus Cristo sempre ensinou.

    ResponderExcluir